UOL HOST: Hospedagem de sites, Loja Virtual, Registro de domínios
Conecte-se conosco

#TBT

‘Eu digo Charlie e vocês dizem Brown!’

*Por Thuane Kuchta.

A importância do Charlie Brown Jr. para o rock nacional é inquestionável. Infelizmente, em 2013 a banda chegou ao fim com a morte de Chorão, e, posteriormente, com o suposto suicídio do baixista Champignon, que havia fundado A Banca com os integrantes remanescentes do CBJR.

E é por tanta história e por recentemente a companheira de Alexandre Magno Abrão (pois é, este é o nome do Chorão) ter lançado um livro à respeito das experiências que viveu em mais de 20 anos com o cantor que o #TBT de hoje é deles, que invadiram a cidade e também nosso coração. <3

O comecinho

charlie-brown-jr

Morando em Santos, Litoral Paulista, o jovem skatista com apelido engraçado começava a trilhar seu caminho no cenário roqueiro brasileiro.

Por um acaso, Chorão precisou substituir um vocalista de uma banda em um bar, e foi naquela apresentação que um convite pintou. Logo depois, conheceu Champignon que se tornaria um de seus grandes companheiros pelos anos seguinte, assim como o restante da trupe.

A primeira demo

Em 1992 a banda já se apresentava pelos bares e pistas de skate de Santos e São Paulo e não demorou muito para começarem a levantar uma grana para gravar uma demo – e conseguiram! Mas eles mal sabiam o que estava por vir.

A demo chegou nas mãos de ninguém mais, ninguém menos que Rick Bonadio – produtor do Mamonas Assassinas na época e de tantos outros. Bonadio se interessou pelo público e um promissor contrato foi celebrado.

Nascia então, a banda batizada pelo próprio Chorão de Charlie Brown Jr. formada por ele (Alexandre Magno), Champignon, Renato Pelado, Marcão e Tiago.

“Foi uma coisa inusitada. Trombei, literalmente, com uma barraca de água de coco que tinha o desenho do Charlie Brown, aquele personagem do Charles Schulz, mais conhecido por ser o dono do Snoopy. E o ‘Jr’ é pelo fato de sermos filhos do rock”, explicou Chorão.

Os meninos apareceram com referências ao mundo do skate, batidas aceleradas e a mistura do rap e punk – alquimia exemplificada pela faixa “O coro vai comê” do primeiro disco lançado em 1997 entitulado “Transpiração Contínua Prolongada” .

Meu, tu não sabe o que que aconteceu: Os caras do Charlie Brown invadiram a cidade!”.

Dali ainda vieram os sucessos “Proibida pra mim”, “Tudo o que ela gosta de escutar”, “Quinta-feira” e “Gimme o Anel”, ajudando o álbum a alcançar a marca de 500 mil cópias vendidas.

Preço Curto… Prazo Longo

Em 1999 era lançado o segundo álbum da banda.

A segunda faixa, “Zóio De Lula”, trazia um misto de reggae na guitarra e rap na letra e certamente, veio a ser um dos grandes hits na época.

A banda, que só crescia comercialmente, emplacava a faixa “Te levar” na trilha sonora de Malhação na Globo (de 1999 a 2006) e ocupava as rádios do país, fazendo com o que segundo disco sedimenta-se a carreira do Charlie Brown.

(Ps. Não dá para dar play sem sentir aquele cheirinho de feijão da janta que estava prestes a ser servida, e aquela serenidade no olhar de quem não tinha grandes responsabilidades. Aaiai minha adolescência <3)

Entres os outros sucessos do álbum tivemos “Confisco”, “O preço” e “Não deixe o mar te engolir

Nadando com os Tubarões

Nos anos 2000 chegava o terceiro disco: “Nadando com os Tubarões” que trazia também alguns problemas internos, tornando o grupo, um quarteto com a saída de Tiago Castanho.

Nesta fase, a banda passou a explorar um pouco mais o seu lado hip-hop e contou com as participações de grandes nomes do gênero, como Sabotagem, Negra Li e o grupo RZO, e teve como músicas de destaque “Rubão”, “A Banca” e “Tudo Mudar”.

A proximidade com o rap, inclusive, permitiu à banda realizar fortes críticas sociais em forma de música, e Chorão sempre mostrava ter facilidade para falar principalmente com os mais jovens, a quem dedicou a canção “Não é Sério”.

100 % Charlie Brown Jr.

Em 2001 a banda trocava de gravadora para lançar “100% Charlie Brown Jr. – Abalando a Sua Fábrica”, que incluia diversos hits como “Hoje eu Acordei Feliz”, “Lugar ao Sol” e “Como Tudo Deve Ser”.

Com uma sonoridade mais crua, a banda se focou no hardcore, deixando o hip-hop um pouco de lado nesse disco.

Rapazes com bocas ordinárias!

Durante uma ida da banda à Portugal, um jornal publicou a notícia de que uma banda brasileira, na qual os integrantes possuíam “bocas ordinárias”- devido a quantidade de palavrões nas músicas – iria se apresentar por lá.

E foi dessa matéria um tanto quanto inusitada que veio o nome do viria a ser o quinto disco do Charlie Brown Jr., lançado em 2002.

Dando sequência a uma sucessão de discos bem recebidos pelo público, os grandes destaques do álbum foram “Papo Reto” e “Só Por uma Noite”, que contou com a participação do ex-titãs Paulo Miklos no clipe.

Acústico MTV

Contrariando a tradição de resgatar bandas e artistas em ostracismo, o Charlie Brown Jr. gravou seu “Acústico MTV” – muito requisitado naquela época – em pleno auge da carreira.

Lançado em 2003, o álbum do CBJR acabou sendo um dos mais descontraídos da série, e ainda trouxe a inédia “Vícios e Virtudes”.

Tamo aí na atividade

Sexto álbum de estúdio, sétimo de toda a carreira e o último disco antes da saída de Champignon, Marcão e Renato Pelado, que seriam posteriormente substituídos por Pinguim da bateria, Heitor Gomes no baixo e a volta do Tiago Castanho na guitarra do Charlie Brown.

O disco teve como principais destaques a música “Champanhe e Água Benta” e a faixa-título:

Imunidade Musical

Marcando uma nova fase na banda, o Charlie Brown Jr. lançava em 2005 o disco “Imunidade Musical”.

Dissipando a desconfiança do público – que não sabia se a banda conseguiria manter a qualidade após a saída de três dos quatro integrantes – o disco trouxe os hits “Lutar pelo que é meu”,“Senhor do tempo”, “Dias de luta, Dias de glória” e “Ela vai voltar” – música composta por Graziela Gonçalves, viúva de Chorão.

Eles até contam um pouquinho disso nesse vídeo:

No mesmo ano, o “o novo Charlie Brown” aparecia no Família MTV.

Quem lembra?

Ritmo, Ritual e Responsa

Nome do álbum lançado em 2007 e trilha sonora do filme “O Magnata” roteirizado por Chorão.

Com diversas participações ilustres, como MV Bill e a banda Ratos de Porão, o disco tinha destaques dos mais variados estilos, como “Pontes Indestrutíveis”, “Não viva em vão” e “Uma criança com seu olhar”, além de “Be myself” e ‘’O que ela gosta é de barriga”.

Camisa 10 – Joga Bola Até na Chuva

Em 2009 chegava o álbum com referência a ser o décimo disco da banda. O disco trazia “Me Encontra” e a baladinha de voz e violão “Só os loucos sabem”, que tocava nas rádios sem parar (temos que admitir rs).

Este disco rendeu o Grammy Latino de 2010, na categoria de Melhor Álbum de Rock Brasileiro. Uau!

Retorno improvável

Marcando o retorno improvável dos músicos Marcão e Champignon, a banda lançava em 2012 o disco “Música Popular Caiçara”, um ao vivo gravado em Curitiba e Santos, trazendo os grandes sucessos do grupo.

Além da canção inédita “Céu Azul”, contando com as participações especiais de Marcelo Falcão, (O Rappa), Marcelo Nova (Camisa de Vênus) e o cantor Zeca Baleiro.

Dá para acompanhar neste link:

Olhando hoje para esse disco, podemos considerar ele como um acerto de contas com o passado, tendo em vista que o fim da banda estava mais próximo do que se esperava.

O fim

Na manhã do dia 6 de março de 2013, o vocalista Chorão de 42 anos era encontrado morto em seu apartamento, colocando um ponto final na brilhante carreira do Charlie Brown Jr.

Alguns meses depois, após a também surpreendente morte do baixista Champignon, era lançado o disco póstumo “La Família 013”, uma referência ao prefixo da cidade de Santos.

“Então vamos viver e um dia a gente se encontra”

As mortes de Chorão e Champignon foram um golpe duplo aos milhões de fãs que seguiam a carreira da banda – que mantinha suas atividades aparentemente normais até o início daquele ano.

Chorão havia inclusive divulgado o single que faria parte do novo álbum da banda, “Meu novo mundo” – dias antes de sua morte, o que gerou 3 dias oficiais de luto à cidade de Santos e várias homenagens na pista de skate fundada pelo músico na cidade.

O sucesso do Charlie Brown Jr. foi arrebatador, renovando a forma de se fazer rock comercial no Brasil.

E precisamos ressaltar que pouquíssimas bandas dentro desse cenário conseguiram se manter produtivas e relevantes durante toda a sua carreira. O Charlie Brown Jr. foi uma dessas poucas e é por isso que nos deixou tantas saudades.

Prêmios

VMB

1998 – Banda Revelação: “Proibida pra mim”
2001 – Escolha da Audiência: “Rubão, o dono do mundo”
2001 – Melhor videoclipe de Rock: “Rubão, o dono do mundo”
2003 – Escolha da Audiência: “Papo Reto”
2003 – Melhor Videoclipe de Rock: “Só por uma noite”

Grammy Latino

2005 – Melhor Álbum de Rock Brasileiro: “Tâmo aí na atividade”
2010 – Melhor Álbum de Rock Brasileiro: “Camisa 10 – Joga bola até na chuva”

Multishow

2007 – Melhor Canção: “Senhor do tempo”
2008 – Melhor VideoClipe: “Pontes Indestrutíveis”

Viver, viver e ser livre. Saber dar valor para as coisas mais simples. Só o amor constrói pontes indestrutíveis.

SHOPPING

Newsletter Signup

Redação PopNow*
Escrito por

Os 4 posts em destaque

Lives do Dia Lives do Dia

Gigantes do Samba realizam live neste domingo com participação especial de Ana Clara

Lives do Dia

Live das Patroas Live das Patroas

‘Live das Patroas’ de Marília Mendonça e Maiara & Maraisa terá cinco músicas inéditas

Brasil

Lives do Dia Lives do Dia

Lives do Dia: Lauana Prado, Mumuzinho, e Thaeme e Thiago na programação deste domingo (7/6)

Lives do Dia

BTS apresenta ‘Stay Gold’, primeiro single de novo álbum

K-Pop

Anúncio
Newsletter Signup

Copyright © PopNow 2017 - 2020. Todos os Direitos Reservados.

Conecte-se
Newsletter Signup