Viva - A Vida É uma Festa. Foto: Divulgação.
Cinema

Oscar 2018: Melhor Canção Original e Melhor Trilha Sonora

Foto: Reprodução/Instagram

E hoje vamos falar de música! Sim, basta perceber o quanto um filme é beneficiado por uma trilha instrumental que o embale ou de canções que transmitam sua essência. E o Oscar reconhece isso através de duas categorias, cujos indicados deste ano veremos agora.

Leia também: Oscar 2018: Melhor Figurino e Direção de Arte

Melhor Canção Original:

“Mystery of Love”, de Me Chame pelo Seu Nome

Funcionando como um “narrador emocional” do romance de verão entre Elio (Timothée Chalamet) e Oliver (Armie Hammer), Sufjan Stevens é o compositor e intérprete desta canção, além de ter contribuído com outras duas para o filme: “Visions of Gideon” e “Futile Devices” (um remix de Doveman).

“Remember Me”, de Viva – A Vida É uma Festa

A canção, que é utilizada em vários momentos durante esta animação da Pixar sobre o mundo dos mortos da tradição mexicana, foi composta pelo casal Robert Lopez e Kristen Anderson-Lopez – os mesmos responsáveis por Frozen (2013), e que venceram o Oscar por “Let It Go”, canção do filme. “Remember Me” já levou o Globo de Ouro de Melhor Canção Original.

“This Is Me”, de O Rei do Show

Do filme musical sobre P. T. Barnum (interpretado por Hugh Jackman), o fundador de um grande circo no século XIX, a canção foi composta por Benj Pasek e Justin Paul – que levaram o Oscar ano passado mesmo, por “City of Stars”, de La La Land – e interpretada por Keala Settle. Há também uma versão da música gravada por Kesha.

“Stand Up for Something”, de Marshall

Embalando a história do primeiro juiz negro (interpretado por Chadwick Boseman, astro do atual Pantera Negra) da Suprema Corte dos EUA, em um de seus primeiros casos, a canção de Diane Warren e Common é interpretada pelo próprio Common e Andra Day. Vale notar que esta é a nona indicação de Diane Warren na categoria, sendo a última por “Til It Happens to You”, em parceria com Lady Gaga, para o documentário The Hunting Ground (2015); Warren nunca chegou a levar a estatueta.

“Mighty River”, de Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississippi

O filme, que retrata o retorno de dois veteranos da Segunda Guerra à sua rural Mississippi, possui esta canção composta por Mary J. Blige, Raphael Saadiq e Taura Stinson, e interpretada por Blige – que não só atua no filme, como também está indicada a Melhor Atriz Coadjuvante.

Melhor Trilha Sonora:

Dunkirk

Concebendo musicalmente a tensão das cenas de guerra do filme de Christopher Nolan, o compositor Hans Zimmer, um veterano da categoria, consegue sua décima primeira indicação ao Oscar – as duas últimas também foram por filmes de Nolan: A Origem (2010) e Interestelar (2014). Ele venceu, em 1995, por O Rei Leão.

Trama Fantasma

Membro da banda Radiohead, Jonny Greenwood compôs as trilhas de todos os filmes de Paul Thomas Anderson desde Sangue Negro (2007), mas sua primeira indicação só veio agora, com a trilha deste filme sobre um complexo relacionamento no mundo da alta costura dos anos 50.

A Forma da Água

Esta fábula sobre uma mulher muda que se envolve amorosamente com uma criatura aquática é musicada por outro veteraníssimo da categoria, o francês Alexandre Desplat, que está em sua nona indicação ao Oscar. Levou a estatueta em 2015, por O Grande Hotel Budapeste.

Star Wars: Os Últimos Jedi

O octogenário John Williams é uma lenda da composição musical cinematográfica, praticamente uma Meryl Streep desta categoria. Com 51 indicações no total (incluindo algumas na categoria Melhor Canção Original), Williams é o segundo indivíduo mais indicado da história do Oscar – só perde para Walt Disney. Famoso por sua parceria com Steven Spielberg, John Williams ganhou 5 Oscars: por Um Violinista no Telhado (1971), Tubarão (1975), Star Wars (1977), E.T. – O Extraterrestre (1982) e A Lista de Schindler (1993). Este é o quinto filme da saga Star Wars pelo qual ele é indicado.

Três Anúncios para um Crime

O compositor Carter Burwell embala este filme sobre “uma mulher em guerra com a polícia”, como definiu, em poucas palavras, o diretor Martin McDonagh. Apesar de uma longa carreira, sendo especialmente notável sua parceria com os irmãos Coen, esta é apenas a segunda indicação de Carter Burwell ao Oscar. A primeira veio dois anos atrás, por Carol.

Oscar 2018: Melhor Canção Original e Melhor Trilha Sonora
To Top