UOL HOST: Hospedagem de sites, Loja Virtual, Registro de domínios
Luan Santana. Foto: Reprodução/Instagram
Brasil

‘Viva’: Luan Santana define nome de novo DVD que será gravado em Salvador e enaltece a tecnologia

Foto: Reprodução/Instagram (@luansantana)

“Vivemos tempos difíceis e os momentos simples não valem de nada, se não publicar.
O ego na hora se infla e um elogio idiota já é o combustível para se deslumbrar
Quantas curtidas merecem o primeiro passo de um filho?
Almoço em família domingo
Quando vamos dar valor pra isso?
E olha que ironia: ficar sem amor tudo bem,
Se o celular tem bateria
Saudade virou coisa antiga nessa proximidade fictícia
Eu tô com saudade de um abraço que não se digita.”

A letra desta música inédita por si só bastava para Luan Santana mostrar a proposta que ele deseja atingir em VIVA, seu novo DVD. Mas o cantor quer mais e pensou em todos os detalhes que simbolizassem este trabalho. A começar pelo estado que servirá de cenário: sim, a já anunciada Bahia de todos os santos e sons. Afinal, há pouco mais de 500 anos navegar era o verbo da vez. Se para conquistar o mundo, aventureiros e corajosos exploraram o mar porque navegar era preciso para haver a conexão de todos os continentes. Hoje, navegar continua sendo o verbo da vez para que as pessoas se conectem. Por isso, a escolha por Salvador, a primeira capital de uma terra que recebeu os patrícios que cá descobriram o Brasil.

Como, em se tratando de Luan Santana, tudo tem o seu dia, lugar e hora, vamos aos fatos: 19 de maio, a partir das 20h, no Parque de Exposições, sim, aquele mesmo de grandes eventos.

“Com este DVD quero que a música contribua para esta proximidade real. E não a fictícia. Que todos possam viver os momentos, curtir. O que mais temos visto em variados ambientes são as pessoas com celulares nas mãos e não sabendo explorar o bem que a tecnologia nos traz. Vamos fazer uma analogia à época da navegação: eles usaram as suas ferramentas para conquistar o mundo e contribuir para a convivência de todos os povos. Queremos este alerta: naveguem, convivam e, depois, compartilhem para contagiar a todos” – Luan Santana.

A FORMA:

Para que o maior espetáculo já visto neste país e, modéstia à parte, no mundo, seja transformado no seu sexto DVD de carreira, Luan Santana, sua equipe, a gravadora Som Livre e a Polar Filmes _ isso totalizando centenas de pessoas, criação e ideias ilimitadas, além de 30 toneladas de equipamentos  _ estão há mais de seis meses no processo que propõe ao público resgatar o afeto perdido (equivocadamente) para a tecnologia. E é justamente a tecnologia que será enaltecida neste contexto.

PUBLICIDADE

Sendo assim, a cenografia valoriza o gigantismo high-tech, com um palco de 100 metros de largura, um dos maiores já vistos abaixo do Equador ou seja qual for o ponto entre o Atlântico e o Pacífico. Em cena, um grande fóssil mecânico terá partes articuladas que vão se desprender ao longo do espetáculo, sendo 22 costelas com uma tonelada de peso em cada. Será uma criatura híbrida – entre cobra e dragão, dinossauro e leviatã,  passado distante e futuro CyberPunk* – que ganhará vida com movimentos, efeitos e luzes, uma praxe em shows de Luan.

Assim como faz em cada trabalho realizado até aqui, nesses 11 anos de estrada, Luan gosta de selecionar um foco temático a ser abordado como conceito geral – do repertório ao cenário, contemplando toda a estética da obra. Foi assim em O NOSSO TEMPO É HOJE” (2013), “ACÚSTICO” e “1977” só para citar alguns.

A PROPOSTA DA VEZ:

Dessa vez, a proposta vai de encontro e bebe da fonte ao que se convencionou chamar de “CyberPunk”, expressão criada nos anos 1970, que trata de um futuro obscuro em que a alta tecnologia praticamente ofusca os sentimentos mais essenciais do ser humano.

Nesse contexto, a maioria da população, marginalizada, tenta reivindicar seus direitos perante uma sociedade cada vez menos humana e mais cega pela tecnologia, com menos coração e mais aparelhos celulares em foco.

Filmes como “Blade Runner”, “Minority Report” e a série “Altered Carbon” são exemplos dessa estética do CyberPunk.

“A ideia é usar esse fator, do afeto em queda e da tecnologia em alta, para justamente falar de amor nesse DVD”, explica Luan, que continua: “É fazer florescer o amor diante de um tema tão frio. Essa é a estética”, explica. Eis daí a marca que terá destaque no palco e que se propõe como registro do espetáculo: uma flor, tal qual a presente na poesia de Carlos Drumond de Andrade, ganhará forma no cenário, representando a força do amor e da natureza perante a dureza do concreto e ausência de sentimentos.

Na era atual, a imagem de “cada-um-com-sua-tela” só reforça a necessidade de se valorizar o sangue que corre em nossas veias, o calor humano perdido para tantas conexões virtuais e o amor presencial, muitas vezes diluído pelos “likes” das redes sociais.

Queremos provar que a tecnologia é bem-vinda. Ela tem se tornado munição no combate a vários males ao redor do mundo e fator essencial para a comunicação. Só não se pode abrir mão do abraço, do beijo, do afago latente que emana do calor de nossas mãos. “Viver os momentos e compartilhar. Não só ficar registrando o que se vê, sem conviver com quem está ali. Compartilhar o real para que a proximidade não seja fictícia”, avalia Luan.

O CENÁRIO:

A escolha pela cidade que já nos deu régua e compasso, capital do Estado que primeiro se apresentou aos olhos de Cabral e companhia, descobridores dessas terras há 519 anos, tem tudo a ver com a proposta de resgatar nossas raízes e a humanidade hoje sufocada por tanta tecnologia.

Com expectativa de atrair 30 mil pessoas, Luan quer transportar a plateia, assim como o público que depois vier a assistir ao DVD, para uma outra realidade, pronta para refletir e sentir os efeitos do CyberPunk.

“VIVA” terá lançamento sacramentado pela Som Livre. A lista de convidados especiais será anunciada em breve e promete surpresas, com 12 músicas inéditas e cinco regravações, num repertório que pretende provocar “movimento’, aqui o significado dúbio mesmo: para dançar e manifestar. Acima de tudo com a essência da energia de uma terra em que Santos, sons, dons e tons abençoam todas as eras. E em todos os tempos!

DIGITAL:

“VIVA” também estará nas plataformas. Pela primeira vez no Brasil, uma série com 6 episódios co-produzida pelo Facebook, pretende mostrar todo processo de pré produção, público, composição, estúdio, bastidores.. até o dia do show. Tudo exibido em episódios semanais desde 17 de abril, no IGTV (Instagram). A série é filmada por Storytellers e dirigida por Gui Dalzoto.

A série ainda será exibida pelo Multishow, no TVZ.

VOCÊ VAI SE CONTAGIAR:

Com um grande espetáculo que finca pé no solo que resgata nossas mais genuínas raízes, na Bahia de todos os santos.

-Palco com 100m de Largura
– Cenário com um grande fóssil mecânico, uma figura híbrida que possui 66m e estrutura de 22 toneladas
– O afeto se sobrepõe à ansiedade desenfreada motivada pelo avanço da tecnologia.
– O contato físico, tão rarefeito, chega a dar choque (sem dor, claro) em uma plateia hipnotizada pelos neons e efeitos tecnológicos que atropelam o calor humano.
– O espetáculo se impõe pela majestade musical desse contexto, na figura de um ídolo disposto a exibir sua condição de carne e osso.
– A tecnologia vira pura moldura no projeto, moldura esta reforçada por grandes efeitos, a fim de traçar cores mais fortes no contraste com a humanização do espetáculo.
– Foco no coro formado pelo público, capaz de aquecer a alma do artista e do telespectador que a tudo assiste

‘Viva’: Luan Santana define nome de novo DVD que será gravado em Salvador e enaltece a tecnologia
To Top