UOL HOST: Hospedagem de sites, Loja Virtual, Registro de domínios
Foals. Foto: Reprodução/Instagram (@foals)
Rock

Foals lança clipe de ‘In Degrees’, gravado no Brasil

Foto: Reprodução/Instagram (@foals)

PUBLICIDADE

De se jogarem em festas caóticas em sua cidade natal, Oxford, até se tornarem grandes headliners de festivais por toda a Europa, a trajetória de Foals foi notável. Eles foram aclamados pela crítica (prêmios NME e Q, mais prêmios Mercury, Ivor Novello e BRIT) e devoção de fãs (1,7 milhão de vendas de seus quatro álbuns com certificação Gold, além de mais de meio bilhão de transmissões no Spotify desde 2015) em igual medida. E enquanto a maioria dos contemporâneos caiu no esquecimento, os Foals continuam a atingir novos picos.

Depois de mais de uma década no jogo, Foals novamente abraçou o amor pelo não-convencional com o mais bravo e ambicioso projeto de sua carreira: não um, mas dois novos álbuns surpreendentes: “Everything Not Saved Will Be Lost“. Um par de lançamentos, separados, mas relacionados, eles compartilham um título, temas e obras de arte. A “Parte 1” foi lançada no dia 8 de março, com a “Parte 2” seguindo no outono.

PUBLICIDADE

“Eles são duas metades do mesmo medalhão. Eles podem ser ouvidos e apreciados individualmente, mas fundamentalmente, eles são peças complementares” – Yannis Philippakis, vocalista.

Profundamente amarrados, mas possuindo suas próprias personalidades, os dois corpos capturam as criações mais atraentes, ambiciosas e coesas que Foals – completados por Jimmy Smith (guitarra), Jack Bevan (bateria) e Edwin Congreave (teclado) – já produziram.

Ansiosos por quebrar a tradicional estrutura da música pop, a qual eles sentiam que estavam se tornando cada vez mais afinados, as 20 faixas desafiam as expectativas. Há faixas exploratórias, progressivamente tingidas que ocasionalmente quebram a marca de 10 minutos ao lado de segues atmosféricos que fazem da música uma experiência ao invés de uma mera coleção de músicas. No entanto, a renomada habilidade da banda em usar grooves implacáveis com poder impressionante também alcança novas alturas.

O singleExits“, é um exemplo, apresentando Philippakis evocando a imagem de um mundo desorientador por meio de uma melodia vocal contagiante. É um novo hino para o formidável arsenal de Foals, mas também uma previsão sinistra.

“Há uma ideia definitiva de que o mundo não é mais habitável do jeito que era. Um tipo de periculosidade falta de previsibilidade e uma sensação de estarmos impressionados com a magnitude dos problemas que enfrentamos. Qual a resposta? E qual é o propósito de qualquer resposta que um indivíduo possa ter?” – Yannis Philippakis.

As sinalizações de “Exits” indicam o que esperar de “Everything Not Saved Will Be Lost“. O título é um aviso de que qualquer coisa – desde o menor momento fugaz de inspiração até a própria diversidade biológica do planeta – pode estar sob ameaça de ser irrevogavelmente apagada.

É um tema que permeia todo o material dos álbuns, já que os Foals refletem as neuroses públicas que foram provocadas pelo nosso atual clima cultural. Paranóia da vigilância do estado? Medo do colapso ambiental? Uma sensação esmagadora de ansiedade? Está tudo aí nessas músicas apocalípticas

É particularmente evidente na eufórica “In Degrees“, que imagina um futuro em que sua capacidade de conversar entre si foi reduzida a nada. Essa abordagem talvez seja mais vivamente capturada em “Syrups“, e o devastador par de músicas em “Part 1“, “Sunday” e “I’m Done With The World” (& It’s Done With Me)“.

“Liricamente, há ressonâncias com o que está acontecendo no mundo no momento”, resume Yannis. “Eu sinto que, qual é a utilidade de ser músico atualmente, se você não consegue se envolver com pelo menos algumas dessas coisas? Essas músicas são bandeiras brancas, ou são SOSs, ou são pedidos de ajuda … cada uma de uma maneira diferente.”

As jornadas dos novos álbuns começaram quando a era “What Went Down” terminou. O baixista fundador Walter Gervers partiu em termos amigáveis depois de tocar no Festival Paredes de Coura em Portugal em agosto de 2017. Os Foals acharam que ele não poderia ser substituído – uma decisão que inaugurou um período de recalibração, reorganização e, finalmente, rejuvenescimento.

Depois de um tempinho, Foals se reuniram com Yannis nas tarefas de produção, que, junto com Edwin, também cobriram as partes do baixo. Eles começaram escrevendo em um espaço de ensaio antes de exportar os esboços para a fase de gravação no 123 Studios, em Peckham, com a ajuda do engenheiro Brett Shaw. Eles repetiam o ciclo entre os dois espaços, criando efetivamente um ciclo contínuo de feedback, ao tentar levar cada nova ideia à linha de chegada.

Foals também anunciaram uma turnê norte-americana na primavera e uma série de grandes festivais de verão no Reino Unido e na Europa. Clique aqui e veja datas.

Ouça o álbum “Everything Not Saved Will Be Lost”:

Veja o clipe de “In Dregrees”:

SHOPPING

Foals lança clipe de ‘In Degrees’, gravado no Brasil

To Top