PopEntrevista

Érika Januza relembra em entrevista a sensação do seu primeiro papel: “Sensação de alegria plena”

Nenhuma profissão na vida é fácil, as vezes nem chega a sair do pensamento a vontade de segui-la, mais alguns acabam tendo mais coragem que os outros, esse foi o caso da Érika Januza, atriz natural de Minas Gerais que hoje mora no Rio de Janeiro, já passou por diversos capítulos difíceis e complicados em sua jornada. Hoje ela conta um pouco mais para gente um pouco mais de sua história.

Na época em que você falou que queria seguir carreira como atriz, sua família ficou surpresa? Sendo que não havia nenhum artista ainda na família.

Ficaram! Assim como eu, minha família é muito pé no chão. E tinham um pouco de cuidado com o que eu poderia enfrentar. Morar sozinha, em um lugar novo, nova profissão. Mas sabiam e entendiam minha alegria. Sempre corri muito atrás das minhas coisas e eles acompanharam sempre isso. Para mim, foi um acontecimento no tempo de Deus.

Como foi a sensação quando passou na sua primeira seleção para a minissérie “Suburbia” da Rede Globo?

Sensação de alegria plena! Gratidão por ter passado por etapas da minha vida acreditando em um crescimento e Suburbia veio me presentear com uma mudança de vida, de pensamento. Sou e sempre serei grata a Suburbia.

Quando tinha 19 anos, passou por dificuldades enormes, inclusive preconceitos. Hoje com 31, como você enxerga você naquela época?

Enxergo as coisas com mais força. O que me derrubava hoje me levanta. Todos os dias acordo pensando, o que vou fazer hoje. Vou buscar o que? Vou melhorar o que? E o preconceito infelizmente existia ontem e ainda existe hoje. Cabe a nós fazer nossa parte para melhorar o amanhã. As pessoas acordarem, cuidarem de seus problemas e respeitar o outro.

No carnaval também você tem histórias, sendo até musa do carnaval mineiro. Ainda tem muitas ligações como carnavalesca?

Sempre gostei muito de samba, carnaval, aprendi a sambar assistindo TV. Um pouco antes de iniciar Suburbia me envolvi com o carnaval de Minas. Foi uma experiência diferente e muito feliz. Vindo para o Rio não poderia ser diferente. O samba faz parte de um pouco de mim. Me traz alegria. Este ano não irei desfilar, mas estarei na Sapucai acompanhando tudo e também gosto muito do carnaval de Salvador. São emoções diferentes.

Como você se vê como atriz e pessoa? (Erika por Erika)

Olha. A ERIKA é guerreira. Não foge da luta.

Como foi sua mudança de Minas Gerais para Rio de Janeiro? Tem algo que você não tenha acostumado na cidade?

Minha mudança foi muito feliz, vim com o coração aberto. Nunca tinha morado longe da família, da saudade, mas é tão pertinho, e sempre estou por lá. Minha família vem passear aqui. E, quanto a me acostumar, sem dúvida o trânsito é o que mais sinto diferença. O comportamento no trânsito.

Na novela “Em Família”, qual a cena mais emocionante que você se lembra, interpretando uma personagem que vivia em busca da identidade do pai?

Gosto muito da cena em que fui perseguida por um “suposto” estuprador e tive que fazer uma cena de perseguição e depois imobilizando o criminoso! Fiquei apaixonada por esse universo de ação, tensão! Em Sol Nascente teve um momento desses também. Gosto dessas cenas de adrenalina. Quero mais, inclusive. (risos)

Se pudesse escolher qualquer ator para contracenar, qual você escolheria?

Lázaro Ramos/ Will Smith

Qual é seu maior medo em sua profissão como atriz?

Meu maior medo é não passar verdade para o público.

Deixe uma mensagem.

Obrigada por gostar e acreditar em meu trabalho. Fico feliz em representar o outro de alguma forma. Feliz em ouvir ser referência. Espero realmente a cada dia continuar levando a diante um pouco dessa representatividade e mostrando que é possível sim!

Lute por seus sonhos, seja eles qual forem. Fazendo o bem o universo conspira a nosso favor!

Foto: Reprodução/Instagram

Érika Januza relembra em entrevista a sensação do seu primeiro papel: “Sensação de alegria plena”
To Top